A base do Ituano já está treinando


19 de fevereiro de 2020 | Notícias

Comissão técnica do Ituano integrada base e profissional.

Desde o dia 10 de fevereiro, as categorias sub 15 e sub 17 voltaram a treinar sob novos comandos. Jean Carlo que foi contratado neste mês assumiu o infantil (sub 15). Mineiro de Borda da Mata, Jean tem 26 anos e começou no Mogi Mirim como preparador físico do sub 20. Depois foi para o Brasílis de Água de Lindoia, clube administrado pelo ex-zagueiro Oscar. Dali foi para a Ponte Preta onde primeiro exerceu a função de preparador físico do sub 17 e campeão Paulista em 2017. Na própria Ponte Preta começou a carreira de treinador no sub 15. Tem cursos de pós-graduação em fisiologia, treinamento esportivo e licença da CBF. “O Ituano valoriza muito a sua base. É um clube que aproveita no seu time profissional vários atletas formados na sua base. A valorização não é só para os atletas, mas também para os treinadores. O Doriva começou na base, o Vinicius também saiu da base e todos os auxiliares técnicos estão vindo da base. O clube tem excelente estrutura e uma das melhores camisa do interior paulista” afirmou Jean Carlo. Marcinho que dirigiu o sub 15 no ano passado foi promovido para o sub 17. “Estou muito feliz pelo meu segundo ano como treinador na base já receber convite para dirigir o sub 17. Entendo que a oportunidade faz parte do caminho que eu quero trilhar como treinador de futebol. O objetivo é chegar no nível de profissional” comentou Marcinho que levou o sub 15 até a 2ª Fase no ano passado.

Os atletas do sub 20 se apresentaram no dia 12 e a categoria voltará a ser comandada pelo Luiz Antônio após ele ser auxiliar do Vinicius Bergantin na temporada passada. Luiz começou no sub 15 em 2014 quando levou a categoria a sua melhor participação no Paulista chegando as 4as de Final. Luiz Antônio fez dois anos no sub 15, dirigiu o sub 17 mais dois anos e o sub 20 em 2018. Sempre levou o Ituano até a 3ª Fase do Paulista. “Ser auxiliar foi uma experiência nova. Ajudar o Vinicius nos trabalhos e dando a opinião sobre o jogo. Mas, claro que dá saudades de comandar um time. Dar as orientações aos atletas, fazer as cobranças e ver os resultados em campo” disse Luiz Antônio que também seguirá como auxiliar junto com o Guilherme Bellangero no profissional. A outra atividade que o Luiz voltará a fazer é organizar os processos seletivos em várias cidades do interior. Guilherme Bellangero que dirigiu o sub 17 em 2019 levando o Ituano até as 4as de Final, a melhor campanha da categoria, será a partir deste ano, exercerá a função de auxiliar do Vinicius Bergantin no profissional. Bellangero chegou em 2017 assumindo o sub 15 na 8a rodada e levou o time até a 2ª Fase. Em 2018 levou novamente o sub 15 até a 2ª Fase. “Pude iniciar no Ituano há 3 anos no sub 15. Amadureci e tive a oportunidade de trabalhar com o sub 17. Para mim é mais um passo para o meu desenvolvimento como técnico. Estou animado em trabalhar com o Vinicius no profissional. É um ambiente diferente que vou aprender muito” comentou Guilherme Bellangero.

As três categorias de base do Ituano serão coordenadas pelo Ricardo Gomes. Ele nasceu em São Paulo há 44 anos e começou atleta ainda no futebol de salão ainda garoto, como era denominado o futsal. Como profissional trabalhou 10 anos em Universidades e no Corinthians foi técnico do futsal e futebol de campo, supervisor que fazia a transição dos atletas do futsal para o campo. “Quase todos os garotos começam com 7 anos no futsal e quando chegam aos 14 anos fazem a opção para o campo onde vão jogar no sub 15. Fizemos esta transição dos 11 até os 14 anos. A maioria sempre prefere o futebol de campo” explica Ricardo Gomes que trabalhou com Gabriel Martinelli. “Trabalhei com ele no primeiro ano dele no campo quando foi jogar no sub 11 no Campeonato Paulista e fomos vice-campeões. Ele era o titular do meu time com 10 anos. Ele também jogava futsal até vir para o Ituano com 13 anos”. Ricardo elogia a filosofia do Ituano que utiliza um terço do seu elenco no profissional de atletas que são desenvolvidos na base do próprio clube. “Quanto maior o número de atletas da base no time profissional é melhor. Claro que o clube é formador, mas isso não afasta a vontade de fazer boas campanhas e brigar pelos títulos. Quanto melhor a base, mais você vai usar no profissional. Se um dia tivermos 50% da base no profissional, é melhor”. Há quase 6 anos, desde a Série D de 2014, o Ituano tem pelo menos um atleta da base jogando em todos os jogos no profissional. São 183 jogos com algum atleta revelado na própria base.    

Acaz Fellegger
Jornalista Mtb 19.,426 SP

19/fevereiro