O paraense Igor Henrique


15 de outubro de 2021 | Notícias

Igor Henrique domina a bola sob olhares do marcador

Atleta longilíneo de origem paraense, Igor Henrique espera fazer história no Ituano e no futebol paulista como outros conterrâneos.

O Ituano volta a enfrentar neste sábado um clube do Pará após 14 anos. A última vez foi na Série B 2007 quando venceu o Remo no Novelli Júnior por 2×1, com dois gols de Guigov. Nesta época o meio campo Igor Henrique dava seus primeiros passos no futebol paraense. “Só tenho lembrança boa do meu início no Pará. Minha base toda foi no Castanhal Esporte Clube. Minha família toda é de lá. É uma cidade muito boa, gosto muito e tenho muito orgulho de ser paraense” relembra único atleta do Pará no atual elenco do Ituano. Depois de se profissionalizar no Castanhal, Igor Henrique veio jogar no futebol paulista. “Não tive oportunidade de jogar nos grandes clubes do Pará. Só joguei contra eles pelo Castanhal na base. Fui profissionalizado no Castanhal. Jogar nos clubes da capital é difícil. Paysandu e Remo são clubes de uma torcida enorme. A própria Tuna Luso também. Enfrentar agora o Paysandu será muito importante para mim” afirmou Igor Henrique que jogou no Ituano em 2016 e 2017 e retornou este ano para a disputa da Série C.

Igor Henrique depois do Castanhal veio jogar no futebol paulista. Em 2012 foi contratado pelo XV de Jaú. Foi artilheiro da Série A3 pelo Barretos com 11 gols e subiu no ano passado da Série D com o Mirassol. Fez o caminho de outros atletas longilíneos paraenses, magros e altos, que fizeram sucesso no futebol paulista. Sócrates e Raí começaram no Botafogo de Ribeirão Preto e Giovanni depois de ser revelado na Tuna Luso veio defender a Sãocarlense. Qual seria o segredo seria deste tipo de atleta paraense? Seria o pato no tucupi, prato típico paranese? “Eles falam que sim. Tem também o açaí com farinha! (dando risada) Não estou me comparando com estes grandes craques. Mas quero fazer história aqui no Ituano. Estou trabalhando para isso. Conseguindo o acesso, ficar um bom tempo aqui e conquistar grandes objetivos. Mas não dá para comparar com estes grandes craques”. Sócrates nasceu em Belém e seu irmão, embora de família paraense, nasceu em Ribeirão Preto. Giovanni nasceu em Belém e antes de vir jogar na Sãocarlense, foi campeão com o Remo em 1993. Eles são ídolos eternos de Corinthians, São Paulo e Santos, respectivamente.

O Ituano já fez 7 jogos contra os clubes do Pará entre 2004 e 2007 disputando a Série B. Conquistou 3 vitórias, dois empates e sofreu duas derrotas. Foram 5 jogos contra o Remo e apenas dois jogos contra o Paysandu em 2006. Perdeu na Curuzu por 2×1 e empatou no Novelli Júnior em 1×1. São outros elencos, outra época e outra competição com formato diferente. Mas as dificuldades para estes dois jogos com o Paysandu serão parecidas. “Espero um Paysandu muito competitivo. Que vem de dois empates. Um fora e outro em casa. Eles vêm para cá para buscar sua primeira vitória. A gente vai estar muito atento. Vamos ficar ligados neste jogo porque o Paysandu é um time muito forte” comentou Igor Henrique que nesta Série C marcou 3 gols e fez uma assistência em 16 jogos. Com 9 gols em 46 jogos, ele é o maior artilheiro do atual elenco. Ituano e Paysandu jogam neste sábado, ás 17 horas com transmissão da Band Mais e DAZN. Os ingressos estarão à venda nas bilheterias do estádio Novelli Júnior até o início da partida.

Acaz Fellegger
Jornalista Mtb 19.426 SP

Miguel Schincariol
Fotografia

15/outubro