O personagem do jogo


27 de dezembro de 2020 | Notícias

Experiente árbitro Igor Beneveduto foi destaque na partida entre Ituano e Santa Cruz.

No momento que se aproxima a definição dos grupos da Série C nesta 2ª Fase, os jogos são decisivos e chamam atenção. Claro que a escolha do árbitro merece todo cuidado. Assim foi definido o árbitro mineiro Igor Benevenuto para apitar Ituano e Santa Cruz. Com 40 anos de idade, experiente, pode trabalhar pela primeira vez na Série C neste ano. Ele trabalhou em 5 jogos na Série A, 21 jogos no VAR, e um jogo na Série B. Sua estreia na C mereceu destaque. Ele foi o personagem na partida. “Acredito que sim. O último lance expõe muito isso. Na falta que o Correa foi bater, ele deu mais um minuto. No momento da cobrança, o jogador do Santa Cruz se adianta, a bola bate nele. O árbitro não para o jogo, nem manda voltar a cobrança. Ele simplesmente acaba a partida sendo que ele deu um minuto a mais. Então a gente fica chateado. Nós nos preparamos para um momento decisivo e vem pessoas como este que, ou não tem noção que isto significa, ou fica com esta leitura diferente da partida e assim prejudica uma partida” reclamou o técnico Vinicius Bergantin. Na partida não teve lance capital, os gols foram legítimos, mas seu comportamento durante a partida mereceu críticas. Interferiu numa partida que estava sendo bem disputada. De virada, o Santa Cruz venceu o Ituano por 2×1 que jogou mais de 50 minutos com 10 atletas. Igor Benevenuto foi o destaque da partida.

Logo no início, foram três choques de cabeça em disputa de bola. Apesar do susto, nenhuma gravidade. O Ituano pressionava e o Santa Cruz procurava jogar em velocidade. Numa falta normal de jogo, o personagem começou a interferir ao dar cartão amarelo ao capitão Paulinho Dias. Logo depois saiu o gol do Ituano. Mateus Criciúma na direita rola para trás e Pacheco bate de primeira. A bola faz uma curva e entra no ângulo. “Eu quis cruzar. Felizmente peguei muito bem na bola e fiz um gol muito bonito” foi sincero o lateral Pacheco. O Ituano quase chegou ao segundo gol. Com Taliari que chutou forte de fora da área após passe de Breno Lopes. E numa cabeçada de Léo Santos após escanteio de Fillipe Souto. Nos dois lances, o goleiro Maycon fez a defesa. Aí veio a segunda falta de Paulinho e o segundo amarelo. Foi expulso aos 39. “Jamais criticando o Paulinho que é um atleta que se entrega de corpo e alma pelo clube. Mas você sabendo que o atleta já tem amarelo, num lance onde foi duro, mas ele não pega o pé do atleta, o árbitro experiente, num jogo decisivo como esse, tem que ter uma leitura diferente. Não era passível de amarelo. Poderia avisar o Paulinho que acabou. O que ele fez foi distribuir cartões. Não estava um jogo maldoso ou violento. Teve lances de choques de cabeça, mas sem nenhuma maldade ou ríspidas. Pelo calibre que tem este árbitro, e pelo que representava este jogo, deveria ter outra leitura do lance. Aí você fica com 10 atletas. É claro que prejudica” lamentou o técnico.

Com 29 segundos da segunda etapa, o Santa Cruz empatou após cruzamento e cabeceio certeiro de Chiquinho. Apesar das ameaças e dos cartões amarelos, os dois times procuravam jogar futebol. O Ituano teve chance com Mateus Criciúma após cruzamento de Kadu. O Santa Cruz tentou com Pipico e a bola passou perto. Sem necessidade, Igor Benevenuto encontrou um jeito de chamar atenção. Expulsou o gandula porque colocou a bola no local da cobrança do escanteio. Depois expulsou o maqueiro que reclamou. Durante o intervalo da partida, ele já havia aberto a porta do vestiário da arbitragem e perguntou com o cartão vermelho na mão, quem queria ser expulso. E cumpriu. Expulsou e irritou os jogadores. Perto do final, o zagueiro Célio erra e manda a bola para a linha de fundo. O assistente ao lado, marcou escanteio. O árbitro distante determinou falta de ataque do Ituano. Até que aos 47 minutos, o Santa Cruz fez boa jogada com tabela, envolveu a marcação e fez o segundo gol. Antes do apito final, ele determinou mais um minuto e veio a falta para o Ituano. Quando o Correa cobrou, a bola bateu no marcador que deu dois passos à frente e ele apitou o final. Sem mandar voltar a cobrança ou esperar o minuto. Mereceu o abraço do jogador do time vencedor. Mesmo com a derrota, o Ituano segue na liderança do grupo por causa dos gols marcados. “Nós estamos na briga. Uma pena que no final tomamos este gol. Os jogadores lutaram bravamente. Temos que ter personalidade e levantar o moral da equipe. Estamos fazendo bons jogos fora de casa e temos condições de brigar pelo acesso” afirmou Vinicius.

Acaz Fellegger
Jornalista Mtb 19.426 SP

Miguel Schincariol
Fotografia

27/dezembro